« Home | por cá.. » | nova luz.. » | ressuscitar... como posso ter dúvidas? » | Código Stravinci » | da vinci.. o filme... » | corcundas... » | perfeições alérgicas » | anda por aí um cartaz... » | no mistério da presença » | Yahui and David » 

quinta-feira, junho 22, 2006 

Thomas Moore

St. Thomas Moore

Li sobre Moore:
"Inglês, nascido em 1477, foi decapitado em Londres, por ordem de Henrique VIII pela sua fidelidade à Sé apostólica romana. Estudou na Universidade de Oxford. Era de carácter extremamente simpático. De honrada burguesia, filho de um juiz. Foi pajem do arcebispo de Cantuária. Pai de família, teve um filho e três filhas. Era jurista e amigo de Erasmo, que lhe dedicou a sua obra-prima: "O Elogio da loucura". Foi nomeado chanceler do Reino.
Deixou várias obras escritas, versando sobre negócios civis e liberdade religiosa. A sua obra mais conhecida intitula-se "A Utopia" (vocábulo grego que significa: em parte nenhuma).
Opôs-se duramente ao divórcio de Henrique VIII, que desejava anular seu primeiro casamento a fim de casar-se com Ana Bolena. Recusou-se a comparecer aos cerimoniais de coroação da nova rainha. Por ordem do rei, foi preso e lançado na Torre de Londres. Na prisão escreveu Diálogo do Conforto nas Tribulações.
Mesmo condenado à forca, não perdeu o seu peculiar bom humor cristão, sua naturalidade e simplicidade. No dia da execução, pediu ajuda para subir ao cadafalso. E disse ao povo: "Morro leal a Deus e ao Rei, mas a Deus antes de tudo". E abraçando o carrasco, disse: "Coragem, amigo, não tenhas medo! Mas como tenho o pescoço muito curto, atenção! Está nisso a tua honra!" E pediu para que não lhe estragasse a barba, porque ela, ao menos, não cometera nenhuma traição. Morreu no dia 6 de Julho de 1535. Foi beatificado em 1886 por Leão XIII e canonizado em 1935 por Pio XI."
Hoje li também no "Destak", com a confiança relativa que este jornal me oferece, que o Partido Socialista irá recusar a realização do referendo da PMA, depois de 80.000 eleitores e cidadãos o terem constitucionalmente e livremente exigido. Razão? "A lei já foi aprovada no parlamento".
Pergunto-me... como teria, o político e o santo Thomas Moore, agido perante isto? Concerteza teria sido fiel à Sua Igreja Católica e denunciado como ilegítima esta acção do governo, como o fez com o ilegítimo divórcio e segundo casamento de Henry VIII.
Desafia-me à acção...

Links para este post

Criar uma hiperligação


M

  • Deixo aqui as minhas pegadas para saberem que por aqui passei e que por aqui não fiquei!



<bgsound src="http://www.manuelsalgado.net/Imagens/iwillfindyou.mp3" width=46 height=60 controls="smallconsole" autostart=true loop=true > </bgsound>
Powered by Blogger
hidden hit counter