« Home | Escola de Comunidade CL » | Shadowlands » | ¿Por qué fracasan los proyectos de e-learning? » | O Sentido de Deus e o Homem Moderno » | Effective Online Facilitation » | Lemony Snicket's - A Series of Unfortunate Events » | "A beleza salvará o mundo" Happening dos Univers... » | Crónica de uma petição "irrelevante" » | Pós-Convívio do 1000 » | Comprei a tua alma para Deus.. » 

quinta-feira, março 30, 2006 

Sobre o amor...



Fui ontem guiado pelo Padre João Seabra, com a mestria que lhe é própria, pela 1ª parte da carta "Deus caritas est".

A propósito do que liamos de Bento XVI, falou-nos também de amor, sentimento, intelecto e vontade.

Deixo o excerto que Lhe peço para não esquecer:

"No desenrolar deste encontro, revela-se com clareza que o amor não é apenas um sentimento. Os sentimentos vão e vêm. O sentimento pode ser uma maravilhosa centelha inicial, mas não é a totalidade do amor. Ao início, falámos do processo das purificações e amadurecimentos, pelos quais o eros se torna plenamente ele mesmo, se torna amor no significado cabal da palavra. É próprio da maturidade do amor abranger todas as potencialidades do homem e incluir, por assim dizer, o homem na sua totalidade. O encontro com as manifestações visíveis do amor de Deus pode suscitar em nós o sentimento da alegria, que nasce da experiência de ser amados. Tal encontro, porém, chama em causa também a nossa vontade e o nosso intelecto. O reconhecimento do Deus vivo é um caminho para o amor, e o sim da nossa vontade à d'Ele une intelecto, vontade e sentimento no acto globalizante do amor. Mas isto é um processo que permanece continuamente em caminho: o amor nunca está « concluído » e completado; transforma-se ao longo da vida, amadurece e, por isso mesmo, permanece fiel a si próprio."

Links para este post

Criar uma hiperligação

hidden hit counter